A hidratação na idade sénior - Médicos de Portugal

A carregar...

A hidratação na idade sénior

24 Dezembro, 2010 0

A quantidade de água do corpo diminui à medida que a idade avança: o corpo de um jovem de 25 anos contém cerca de 62% de água; enquanto o de um sénior de 70 anos contém “apenas” 53 %. Esta diferença significa que as reservas hídricas das pessoas mais idosas são menores, devendo, por isso, ser dada uma atenção especial à ingestão de água, nesta fase da vida. Além disto, é comum verificar-se que, nestas idades, o funcionamento dos rins é menos eficiente e que a sensação de sede está alterada.

Porque pode a desidratação ser mais frequente na terceira idade?

Em primeiro lugar, porque muitas doenças características da terceira idade, assim como muitos dos medicamentos que se tomam nesta fase, podem estimular a desidratação. Em segundo lugar, porque com o avançar da idade, os receptores responsáveis pela transmissão da sensação de sede perdem sensibilidade, adiando a sensação de sede.

Algumas pessoas que sofrem de incontinência urinária deixam de beber água, julgando estar a resolver o problema. Mas limitar a ingestão de água só pode agravar a situação, porque a urina fica mais concentrada, prejudicando a saúde dos rins.

Outra razão que contribui para a desidratação na terceira idade são as patologias que afectam o sistema nervoso (como a doença de Alzheimer), porque a capacidade de se expressarem está afectada.

 

Alguns factores de risco

As mulheres, as pessoas com peso corporal baixo, as pessoas com problemas motores ou mobilidade reduzida, as pessoas hospitalizadas e as pessoas que sofram de demência, depressão ou anorexia têm maior risco de desidratação.

O risco é ainda acrescido, nas seguintes situações: durante o Inverno (porque é mais fácil esquecer-se de beber água), ou em ambientes muito quentes e secos (como espaços com ar condicionado), quando existem situações que provocam perdas hídricas (diarreia, vómitos, febre etc.), ou quando se tomam certos fármacos (laxantes, diuréticos, sedativos, etc.).

 

Estar atento aos sinais

Muitas vezes, o diagnóstico de desidratação é tardio. Pelas razões já apontadas, a sensação de sede está alterada ou simplesmente não é comunicada. Por outro lado, os sinais de desidratação podem ser confundidos com os de outras doenças (uma vez que não são específicos), pelo que, quando se dá conta do problema, já a desidratação está num estado muito avançado.

Eis, então, alguns dos sinais mais importantes: secura das mucosas (língua, boca), que provoca dificuldade em engolir; febre; prisão de ventre; problemas neuromusculares (como sonolência brusca, quedas, irritação, agitação); perda de peso; taquicardia; tensão arterial baixa; prega cutânea persistente (a pele não volta ao lugar depois de ser puxada.

[Continua na página seguinte]

Vantagens de uma boa hidratação

Mais do que beber muito de um só golo, manter níveis de hidratação elevados (ou seja, bebendo pouco mas muito frequentemente) previne o aparecimento de infecções urinárias. E se, por mais benefícios que a hidratação tenha, há quem evite beber água para minimizar a frequência e gravidade de incontinência urinária, é bom saber que alguns especialistas defendem que essa restrição não melhora o problema.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.