Nutrição: Desde pequenino… - Médicos de Portugal

A carregar...

Nutrição: Desde pequenino…

5 Agosto, 2014 0

Os hábitos saudáveis incutem-se desde a mais tenra idade. E no que toca à nutrição o ideal é começar logo no momento da diversificação alimentar, dando a provar novos sabores e texturas. E fazendo das refeições momentos de prazer em família.

Uma correcta alimentação é decisiva para o crescimento e desenvolvimento saudáveis da criança. As necessidades nutricionais vão mudando em função da idade, mas o princípio das escolhas equilibradas não muda. É fundamental que o mais cedo possível se comecem a incutir nas crianças as regras de uma alimentação saudável, na medida em que os hábitos adquiridos na infância fornecem uma boa base para quando começam a alimentar-se fora de casa e a fazer as suas próprias escolhas alimentares.

Esta é uma aprendizagem que deve começar a partir do momento em que a criança deixa de se alimentar exclusivamente com leite, na chamada fase da diversificação alimentar, quando começam a ser introduzidos novos alimentos.

É a altura da primeira grande viagem ao mundo dos sabores e das texturas. É natural que possa haver rejeição a alguns sabores e algumas texturas, mas é importante ir habituando a criança progressivamente a diferentes alimentos, para que colha os benefícios de uma alimentação variada.

E esta é uma regra que se deve manter ao longo dos primeiros anos de vida: é normal que o primeiro contacto com um alimento novo cause estranheza e nem sempre seja agradável, sendo necessário insistir na experiência até à aceitação. Mas insistir não significa forçar a criança a comer – significa, antes, encontrar novas formas de lhe apresentar o mesmo alimento, cativando-a, mas tendo a preocupação de respeitar o gosto da criança.

E, por falar em cativar, esse é um processo que passa muito pela apresentação dos alimentos no prato. Veja-se o caso dos legumes, que tanta má fama têm entre os mais pequenos. Na sopa são essenciais, triturados ou em pedaços, até podem passar despercebidos, mas como acompanhamento de uma porção de carne ou peixe podem – e devem – ter uma apresentação que abra o apetite infantil: basta alguma criatividade para combinar formas e cores e conquistar primeiro os olhos e depois o paladar…

Os legumes são, aliás, uma peça essencial na alimentação saudável pois fornecem vitaminas e sais minerais indispensáveis para o “fortalecimento” do organismo. Outra vantagem é que, ao integrarem  as refeições diárias, prolongam a sensação de saciedade, tornando menos provável que as crianças se deixem tentar por snacks e guloseimas.

[Continua na página seguinte]

De pais para filhos

Outra forma de aumentar a adesão das crianças a estes alimentos é dar o exemplo: se os filhos virem os pais comer diariamente legumes – em sopa, cozidos ou crus em salada – é muito provável que também os comam com naturalidade.

Mas é difícil convencer uma criança quando os legumes estão arredados do prato dos adultos…

E nada melhor do que fazer as refeições em família para esses bons exemplos passarem de pais para filhos: quando assim é, pais e filhos fazem muito mais do que alimentar- se – conversam, riem, partilham momentos e reforçam laços.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.