Quando o trabalho conduz à exaustão - Médicos de Portugal

A carregar...

Quando o trabalho conduz à exaustão

7 Maio, 2010 0

Atolado em trabalho? Se os compromissos laborais não lhe dão um momento de descanso, saiba o que fazer para escapar ao fenómeno de burnout.

É comum assistir-se, nos momentos de maior aperto laboral, a excessivas maratonas de trabalho. Os horários de expediente estendem-se em função de uma única meta: cumprir prazos. E, em razão deste objectivo, não há mãos a medir na hora de honrar os compromissos de trabalho. O problema surge quando estas intensas jornadas, em vez de excepção, se transformam em regra.

Como explica Maria José Chambel, coordenadora do núcleo de Psicologia das Organizações da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, “por norma, os funcionários deveriam cumprir um horário de sete a oito horas diárias”. O resto do tempo, diz, “seria aproveitado para uma recuperação laboral”. Mas, face às exigências actuais, o horário pós-laboral, destinado a momentos de lazer, converte-se “numa espécie de apêndice”. E, deste modo, salienta a psicóloga, “torna-se difícil de delinear a fronteira entre “o trabalho e o lazer”.

Segundo afirma, alguns estudos realizados com gestores e quadros diferenciados indicaram que uma parte destes profissionais chegava a atingir uma jornada de trabalho de 50 a 60 horassemanais. E o que justifica tal comportamento?

“Hoje em dia, há uma tendência para se passar mais tempo nos locais de trabalho. Com a introdução das novas tecnologias e a implementação de regimes de isenção horária, os funcionários, apesar de usufruírem de uma maior flexibilidade, acabam por se entregar mais horas ao trabalho, em casa ou no escritório.”

Um estudo realizado recentemente por Maria José Chambel, que envolveu 10 países da Europa, concluiu que as profissões associadas a uma maior flexibilidade de horário apareciam ligadas a mais tempo de trabalho. “Esta estratégia, cujo objectivo foi facilitar a vida dos trabalhadores, passou a ter um efeito perverso e contrário”.

Por todas estas razões, “os funcionários acabam por não desfrutar do período de recuperação diário”. E o que acontece é que reservam o fim-de-semana para carregar baterias e repor as energias dispendidas ao longo da semana. Mas, embora haja casos em que o fim-de-semana é aproveitado para concluir algumas tarefas laborais, “o facto de, neste período não se obedecer a horários rígidos, vai permitir alguma recuperação”.

 

Síndrome do Burnout

O trabalho, na perspectiva de Maria José Chambel, deve ser encarado com conta, peso e medida. “A excessiva carga laboral pode originar uma sensação de exaustão, porque a pessoa sente que os seus recursos físicos e psicológicos se esgotaram.

[Continua na página seguinte]

Para tentar ultrapassar esta situação, desenvolve-se uma atitude de desinvestimento e afastamento do seu trabalho, a qual se designa por ‘cinismo’. É a presença desta sensação de exaustão, acompanhada deste cinismo que se designa por burnout.” Este fenómeno, traduzido por desgaste completo”, foi descrito pela primeira vez, em 1974, por um psiquiatra americano: Herbert Freudenberger. Nas suas experiências, verificou que a classe médica, sujeita a turnos prolongados, manifestava alguns sinais de irritabilidade e stresse laboral. “Perante o excesso de trabalho, os funcionários tendem a fazer um esforço adicional para cumprirem os prazos, nem que para isso prescindam do seu tempo de recuperação. A questãoé que o tempo é um recurso finito e, uma vez gasto, não é possível voltar atrás e gozar o momento perdido.”

Páginas: 1 2 3 4

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.