Memantina Beneficia Doentes de Alzheimer - Médicos de Portugal

A carregar...

Memantina Beneficia Doentes de Alzheimer

20 Janeiro, 2007 0

Um estudo publicado na edição de Janeiro da revista Archives of Neurology1 concluiu que Axura (memantina) diminuiu continuamente a progressão da doença de Alzheimer nas fases moderada a severa durante um ano de tratamento.

Adicionalmente, o estudo mostra que doentes que mudaram de um tratamento anterior com placebo para memantina apresentaram benefícios estatisticamente significativos na cognição, funcionalidade diária e desempenho global total.

São as principais conclusões do estudo, uma extensão aberta, randomizada, em dupla ocultação, controlada por placebo, com a duração de 28 semanas, com administração de memantina HCl em doentes de Alzheimer (AD) nas fases moderada a severa. O estudo decorreu em 30 centros nos Estados Unidos e avaliou o efeito da memantina durante um período de tempo mais longo que os previamente reportados nas fases moderada a severa da DA.

Verificou-se que 96,7% dos doentes que completaram o estudo entraram na fase aberta para um período adicional de 24 semanas, durante as quais todos os doentes (175) receberam tratamento com memantina. Nos parâmetros primários de eficácia foram avaliadas a função diária e o estado global geral.

Todos os dados disponíveis dos doentes que participaram na fase aberta foram usados para análise de casos observados da semana 0 à semana 52, sem substituição dos dados em falta.

Benefícios de memantina durante tratamento reafirmam dados anteriores

Os benefícios verificados com memantina no período de dupla ocultação foram reforçados pelos dados dos doentes tratados com placebo que mudaram para o tratamento com memantjna na fase aberta. Os doentes que mudaram de placebo para o tratamento com memantina experimentaram significativamente uma menor progressão da doença nos domínios da cognição, funcionalidade e desempenho global relativamente à sua taxa média de declínio durante o tratamento com placebo no período de dupla ocultação (p  0.05).

«As fases moderada a severa da doença de Alzheimer são frequentemente muito difíceis para os doentes e para o suporte a prestar pelos respectivos cuidadores, pelo que a capacidade de Axura em atrasar a progressão da doença pode ser muito significativa quanto ao impacte sobre as vidas dos doentes e seus cuidadores», disse Barry Reisberg, M.D., professor no departamento de Psiquiatria da Escola de Medicina de Nova Iorque.

Segurança e tolerabilidade desde o início

O tratamento com memantina foi seguro e bem tolerado no decurso do estudo e o perfil de segurança na fase aberta foi semelhante nos dois grupos de doentes.

Uma característica importante deste estudo foi a continuada utilização dos mesmos instrumentos de avaliação de eficácia da fase em dupla ocultação.

Por isso, esta extensão acrescenta mais dados de eficácia e segurança aos resultados do estudo prévio de 28 semanas demonstrativa de que os doentes tratados com memantina melhoraram significativamente a função cognitiva, a funcionalidade diária e o desempenho global, comparativamente aos do grupo placebo. Os resultados da extensão do estudo reforçam e expandem os resultados anteriores.

Sobre a memantina

A memantina é um antagonista dos receptores NMDA, o primeiro de uma classe de medicamentos para a doença de Alzheimer com um mecanismo de acção único com foco no sistema glutamatérgico. O glutamato é o neurotransmissor excitatório do sistema nervoso central mais comum, e a modulação do sistema glutamérgico é um alvo da maior importância para o tratamento da doença de Alzheimer.

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.