Pele das crianças: Cuidadinho, sim? - Médicos de Portugal

A carregar...

Pele das crianças: Cuidadinho, sim?

16 Agosto, 2014 0

Frágil e imatura, a pele das crianças carece de cuidados especiais para garantir a função de protecção contra agressões externas. Conte com a ajuda da sua Farmácia, um espaço também ele vocacionado para a dermocosmética infantil.

A pele é o nosso maior órgão e tem por missão, entre outras, a protecção contra as agressões do meio exterior. Para manter a pele das crianças saudável, há que ter cuidados básicos com a sua higiene, hidratação e protecção.

A oferta de produtos dermatológicos infantis é ampla, mas há que saber seleccionar e, por isso, os profissionais da Farmácia são fundamentais no aconselhamento aos pais, devido ao risco de ocorrência de dermatites e de alergias a certos componentes de produtos de higiene que impõem cuidados especiais com a pele das crianças, visto que esta tem particularidades que justificam atenção redobrada.

Depois das primeiras semanas e até à puberdade, as glândulas sebáceas reduzem a sua actividade, o que origina uma pele tendencialmente mais seca até aos 12 anos aproximadamente, época em que com o aparecimento da puberdade volta a aumentar a secreção de sebo. Da mesma forma, as glândulas sudoríparas, apesar de funcionais, são ainda imaturas o que tem impacto no suor produzido.

Por outro lado, o pH cutâneo na criança tende para a neutralidade, ao contrário do que sucede no adulto no qual o pH é mais ácido. Tal facto traduz-se numa redução da protecção da pele contra a excessiva proliferação bacteriana. Também a menor espessura da camada superficial da pele (estrato córneo) contribui para uma menor protecção e aumento da vulnerabilidade às agressões externas.

Estas características justificam uma maior propensão para o desenvolvimento de afecções cutâneas como a xerose (pele seca) e a dermatite, também designada por eczema.

A fraca actividade das glândulas sebáceas e a diminuída capacidade de retenção de água são características que contribuem para a xerose, a qual se manifesta com particular incidência nos braços, parte inferior das pernas, parte lateral do tronco e coxas, com descamação da pele e prurido.

A aplicação de produtos com acção emoliente, durante e depois do banho, é a resposta mais eficaz.

Já a dermatite, vulgarmente conhecida por eczema, é uma reacção inflamatória da pele, habitualmente associada a “comichão”.

Uma situação mais severa – a dermatite atópica, afecta zonas como os cotovelos, punhos, pele atrás dos joelhos e pescoço, surgindo manchas avermelhadas acompanhadas de prurido intenso e deve ser aliviada com o uso de cremes emolientes apropriados, aplicados após o banho com a pele ainda húmida, devem ser utilizados diariamente e a aplicação renovada, sempre que necessário, ao longo do dia. Outra afecção que pode surgir nos mais pequenos é a dermatite de contacto, que acontece quando existe contacto com determinada substância, sendo acompanhada de uma sintomatologia que, nas inflamações mais graves, pode mesmo originar a formação de bolhas.

 

Saber escolher

Quanto maior a diferença entre o pH do produto cosmético e o pH da pele da criança, maior será o risco de agressão. Também nos produtos que podem contactar acidentalmente com a mucosa ocular (champôs e soluções lavantes, designadamente) é importante ter atenção ao pH.g

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.