Nutracêuticos e desporto: Ingerir glicosamina para prevenir lesões desportivas - Médicos de Portugal

A carregar...

Nutracêuticos e desporto: Ingerir glicosamina para prevenir lesões desportivas

31 Dezembro, 2011 0

Apesar de não existir investigação que sugira que a glicosamina previne as lesões desportivas, são inegáveis os efeitos benéficos que possui na manutenção da integridade da cartilagem, particularmente nos mais idosos, cuja estrutura tem menor quantidade de água, ficando assim mais susceptível ao stress e à degeneração.

A maioria das evidências científicas preliminares atribui à glicosamina um papel favorável na prevenção e no tratamento de patologias osteoarticulares como a osteoartrose.

Embora não exista um enquadramento legal para estes produtos, os nutracêuticos podem ser definidos como substâncias nutricionais com efeitos benéficos, quer de índole fisiológica, quer na prevenção e tratamento de doenças. A glicosamina é dos nutracêuticos que mais têm sido sujeitos a investigação, com mais de 20 ensaios clínicos aleatorizados envolvendo mais de 2500 pacientes.

A glicosamina é formada pela combinação de glicose, um monossacarídeo, e de glutamina, um aminoácido. É uma substância naturalmente encontrada no organismo, quer como constituinte do ácido hialurónico, quer em cartilagens, onde tem um papel importante na sua resiliência.

Muitos investigadores acreditam que as cartilagens estão constantemente a reconstruir-se/remodelar-se; assim que uma cartilagem velha ou danificada degenera é substituída por uma nova e saudável. A glicosamina é, essencialmente, necessária à produção de glicosaminoglicanos (GAG), que são proteínas que captam água na cartilagem e formam a matriz tecidular que liga o colagénio.

Juntos, o colagénio e os GAG reconstroem continuamente a cartilagem. A taxa de produção de glicosamina a partir da glicose e da glutamina é um passo limitativo na produção de GAG e daí a potencial pertinência da sua suplementação.

 

Degeneração progressiva da cartilagem

Alguns factores como a idade, a sobrecarga ponderal e lesões repetidas contribuem para a degeneração progressiva da cartilagem. Aliás, estima-se que mais de 1/3 das pessoas com idade superior a 45 anos possuam sintomatologia relacionada com a osteoartrose, como dores, rigidez e diminuição da capacidade funcional da articulação afectada. Esta situação pode ser explicada pelo facto de existir uma diminuição da actividade mitótica e da síntese de condrócitos (único tipo celular presente na cartilagem madura com responsabilidade pela reparação do tecido lesado) com o decorrer dos anos.

[Continua na página seguinte]

Quer os processos inflamatórios registados em quadros clínicos de osteoatrose, quer o stress oxidativo que deles podem resultar, levam a um desequilíbrio na homeostase das articulações sinuviais e posterior aumento da vulnerabilidade e apoptose de condrócitos.

Foi demonstrado em culturas de condrócitos humanos que o sulfato de glicosamina possui propriedades condroprotectoras, ao inibir a acção da Fosfolípase A2 e diminuindo, subsequentemente, a produção de prostaglandinas e leucotrienos envolvidos em processos inflamatórios.

A glicosamina foi também responsável por uma diminuição da síntese de Óxido Nítrico e Prostaglandina E2 (dois mediadores inflamatórios) em culturas de condrócitos animais.

 

Benefícios da glicosamina

Para além da supressão da resposta inflamatória, existem evidências de que o sulfato de glicosamina é capaz de diminuir a oxidação do ADN, ao sequestrar espécies reactivas de oxigénio (radicais hidroxilo e superóxido) e aumentar os níveis de glutationa, um antioxidante naturalmente encontrado no organismo.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.