Microalbuminúria » Uma janela para as artérias - Médicos de Portugal

A carregar...

Microalbuminúria » Uma janela para as artérias

1 Outubro, 2004 0

Apenas um pequeno vestígio da proteína albuminúria na urina (microalbuminúria) pode ser um sinal de que aquele doente está em risco de desenvolver uma doença cardiovascular ou renal. Apenas um pequeno vestígio da proteína albuminúria na urina (microalbuminúria) pode ser um sinal de que aquele doente está em risco de desenvolver uma doença cardiovascular ou renal. Assim o explicaram os vários palestrantes do simpósio «Microalbuminuria: Heeding the Alarm to Reduce Risk of Cardiovascular Disease», organizado pela Sanofi-Synthelabo no âmbito do Congresso Europeu de Cardiologia 2004, que decorreu entre 28 e 31 de Agosto, na cidade de Munique, Alemanha.

A reunião foi moderada pelo Dr. Michael Weber, da SUNY Downstate College of Medicine, em Nova Iorque. «A microalbuminúria é o primeiro sinal de deterioração da função renal e identifica igualmente pessoas com risco de sofrer eventos cardiovasculares, incluindo enfartes do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais. Pode ainda indicar o desenvolvimento de nefropatia em doentes com diabetes», esclareceu Weber.

Por que razão a presença de albumina na urina é um sinal de alarme? À medida que o coração bombeia sangue para circular no corpo, o sistema cardiovascular procede a contínuas e constantes alterações. O sistema nervoso central e os rins fazem os necessários ajustamentos: rins saudáveis filtram o sangue removendo excesso de água, sódio e potássio, assegurando o volume de sangue, aumentando ou baixando a pressão arterial.

A maior parte das proteínas no sangue são demasiado grandes para passar através da filtragem dos rins. No entanto, se estes órgãos estiverem afectados por doença ou qualquer acidente, as proteínas podem passar para a urina, particularmente a proteína albumina.

A microalbuminúria surge associada à hipertensão, que ocorre quando os vasos sanguíneos sofrem constrição, dificultando a passagem do sangue. O Dr. Massimo Volpe, professor na Universidade de Roma «La Sapienza», falando acerca da população em risco, frisou que «a hipertensão afecta 600 milhões de pessoas em todo o mundo. Só 27%, nos países desenvolvidos estão controlados e 10% nos restantes.»

O Dr. Dick de Zeeuw, da Universidade de Groningen, na Holanda, pronunciou-se sobre as causas dos distúrbios da função renal:

«A microalbuminúria representa uma indicação precoce de anormalidade em todo o sistema vascular. Assim, faz sentido falar de “uma janela para as artérias”, por nos avisar da necessidade de tratamento anti-hipertensivo, sem o qual os rins continuarão a deteriorar-se até à necessidade final de hemodiálise. Este tratamento deve fazer-se com fármacos apropriados que tenham função provada de protecção dos órgãos alvo, como o irbesartan.»

Nesta conferência foi, ainda, apresentado o resultado de um inquérito conduzido junto de 413 cardiologistas de todo o mundo, que teve por objectivo avaliar a sensibilização dos médicos para a necessidade de considerar este marcador de risco cardiovascular.

Os resultados mostram que 80% conhecem a importância da microalbuminúria como marcador independente. Contudo, apenas 18% disseram que rotineiramente testam os níveis de albumina em doentes hipertensos.

Doenças cardiovasculares são nova Peste Negra
«Todo o planeta está a ser afectado por uma pandemia de doenças cardiovasculares, assassinas mais mortíferas do que a Peste Negra que grassou na Idade Média. A doença cardiovascular é mais grave porque veio para ficar», disse o presidente da Sociedade Europeia de Cardiologia, Dr. Jean Pierre Bassand, na cerimónia de abertura do Congresso Europeu de Cardiologia 2004.

O especialista insiste que é possível prevenir os factores de risco, como o tabagismo e a obesidade, e lembrou que é necessário colocar as doenças cardiovasculares na agenda política, de modo a dar-lhes maior visibilidade.

Esta edição do Europeu de Cardiologia teve como tema central o crescimento das doenças cardiovasculares entre a população diabética. Cerca de 20 mil especialistas estiveram presentes em Munique para discutir este e outros assuntos.

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.