Doença inflamatória pélvica: Fertilidade ameaçada - Médicos de Portugal

A carregar...

Doença inflamatória pélvica: Fertilidade ameaçada

9 Dezembro, 2011 0

A fertilidade fica ameaçada quando a mulher sofre de doença inflamatória pélvica. E quantos mais episódios, maior o risco. O melhor é prevenir, o que é sinónimo de práticas sexuais seguras.

A doença inflamatória pélvica (DIP) é uma infecção dos órgãos reprodutores da mulher que anda de mãos dadas com as doenças sexualmente transmissíveis. É que a DIP é causada por bactérias de transmissão sexual, como as que são responsáveis pela clamídia e pela gonorreia, entre outros agentes, que sobem da vagina até ao útero, podendo infectar pelo caminho as trompas de Falópio e os ovários.

Muitas mulheres têm DIP sem o saber, dado que não apresentam quaisquer sintomas. Significa isto que não se tratam, o que aumenta o risco de danos nos órgãos reprodutores, tal como aumenta a probabilidade de transmitirem a infecção ao/s parceiro/ s sexuais.

E mesmo quando há sintomas eles podem ser tão ligeiros que levem a mulher a não procurar tratamento. A doença pode manifestar-se por dor na região inferior do abdómen e na região pélvica, acompanhada de descarga vaginal intensa com odor desagradável, períodos irregulares, dor durante as relações sexuais e ao urinar, podendo ocorrer ainda febre, fadiga, diarreia ou vómitos.

Estes sintomas tendem a ser mais intensos quando a DIP tem origem na mesma bactéria causadora da gonorreia e mais ligeiros ou ausentes quando a causa é a clamídia.

A principal causa é uma doença sexualmente transmissível, o que significa que comportamentos como sexo desprotegido ou com múltiplos parceiros constituem um duplo risco.

Mas há outros riscos a ter em conta, nomeadamente os associados ao uso do dispositivo intra-uterino: as bactérias podem entrar no aparelho reprodutor feminino durante a colocação do chamado “aparelho”. Já a pílula, embora não proteja contra doenças sexualmente transmissíveis, oferece alguma protecção contra a DIP na medida em que desencadeia uma produção de muco cervical mais espesso, o que dificulta a entrada das bactérias. Em matéria de protecção, os métodos de barreira, como o preservativo, são mais eficazes.

Algumas práticas de higiene, como os duches vaginais, também aumentam a probabilidade de desenvolver DIP, pois perturbam o equilíbrio entre a flora vaginal, destruindo as bactérias benignas e favorecendo a multiplicação das nocivas. Pela mesma razão, a limpeza dos genitais femininos a cada ida à casa de banho deve fazer-se no sentido da vagina para o ânus.

 

Complicações à espreita

Conhecendo os factores de risco, o importante é procurar tratamento à menor suspeita. É que, se não for tratada, a doença inflamatória pélvica pode abrir a porta a complicações de saúde graves. Os tecidos dos órgãos reprodutores podem ser danificados, através da formação de cicatrizes e abcessos que podem obstruir as trompas de Falópio. Uma das consequências possíveis é a gravidez ectópica, ou seja, fora do útero: assim acontece porque o óvulo fertilizado não consegue percorrer a trompa para se implantar na cavidade uterina. Contudo, como a trompa não está preparada para acolher um feto em desenvolvimento, o resultado pode ser uma ruptura da trompa com hemorragias intensas que põem a vida da mulher em perigo, obrigando a cirurgia.

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.