Diabetes: Minha laranja amarga e doce - Página 2 de 3 - Médicos de Portugal

A carregar...

Diabetes: Minha laranja amarga e doce

14 Dezembro, 2014 0

A possibilidade de ocorrência destas complicações deve ser um incentivo para a mudança de hábitos.

 

Questões fundamentais

1. A diabetes do tipo 2 pode ser prevenida e controlada mantendo uma alimentação saudável, evitando o excesso de peso e praticando regularmente exercício físico.

2. A diabetes não é causada pelo consumo excessivo de açúcar, mas pela deficiente ou inadequada produção de insulina; ter excesso de peso, comer mal e levar uma vida sedentária aumenta o risco de desenvolver diabetes do tipo 2.

3. Não fazer exercício contribui para a diabetes do tipo 2, porque pode potenciar a resistência à insulina.

4. A diabetes do tipo 1 não está directamente relacionada com hábitos de vida ou de alimentação errados, ao contrário do que acontece com a diabetes do tipo 2.

5. As pessoas com diabetes podem praticar actividade física, devendo seguir algumas recomendações, como medir o valor de glicemia, beber água, antes e depois, usar calçado adequado e fazer aquecimento prévio.

6. Os antecedentes familiares podem aumentar a probabilidade de desenvolver a diabetes do tipo 2.

7. A diabetes pode ocorrer durante a gravidez, sendo que mais de metade das mulheres que tiveram diabetes gestacional podem vir a tornar-se diabéticas no futuro, caso não sejam tomadas medidas de prevenção.

8. A glicemia deve ser controlada diariamente.

Considerar que a diabetes é a doença dos gulosos é um mito que urge desmontar. A diabetes resulta não do consumo excessivo de açúcares mas da incapacidade do organismo em utilizar os açúcares que ingerimos, sob as mais diversas formas e provenientes das mais diversas origens.

Essa incapacidade traduz-se em níveis exagerados de glucose no sangue, originando um quadro de hiperglicemia. Quando ingerimos determinados alimentos, estes são transformados em glucose no aparelho digestivo, por acção da digestão. Na sua nova forma, hidratos de carbono e açúcares são absorvidos, entram na circulação sanguínea, ficando disponíveis para serem utilizados pelas células. Mas, para que a glucose cumpra o seu papel, funcionando como originador de energia, é necessária a intervenção da insulina, uma hormona produzida no pâncreas.

Sendo essencial à condição humana, a insuficiência (ou ausência) de insulina perturba o processo de aproveitamento dos nutrientes que nos fornecem energia. Quando o pâncreas não produz insulina ou a produz em quantidade insuficiente, distinguimos a diabetes do tipo 1 ou do tipo 2, respectivamente.

Também conhecida como insulinodependente, a diabetes do tipo 1 caracteriza-se pela ausência de insulina devido a uma destruição massiva das células do pâncreas responsáveis pela sua produção.

Não se sabe ainda qual o motivo, mas é o sistema imunitário que ataca o próprio pâncreas do doente, sendo esta acção responsável pela destruição das células que produzem a insulina. Assim acontece em cerca de 10 por cento dos diabéticos, na maioria crianças e jovens, embora a diabetes tipo 1 também possa atingir adultos e até idosos.

Já na diabetes do tipo 2, mais comum, o pâncreas é capaz de produzir insulina, mas hábitos de vida pouco saudáveis, nomeadamente ao nível da alimentação e na falta de actividade física, tornam o organismo resistente à insulina, obrigando o pâncreas a um maior esforço para a produzir, até que ela se torna insuficiente. Surge então a diabetes.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.