Insónia: Não consigo dormir - Médicos de Portugal

A carregar...

Insónia: Não consigo dormir

22 Setembro, 2014 0

A insónia é a incapacidade de adormecer. As pessoas que sofrem desta enfermidade não recebem uma qualidade de sono suficiente para se sentirem capazes de enfrentar um novo dia. É uma queixa generalizada entre milhares de pessoas.

A insónia é talvez a mais frequente perturbação do sono afecta mais mulheres que homens. A causa pode estar em problemas físicos ou psicológicos: há doenças que provocam dores ou mal-estar (asma, palpitações cardíacas, indigestão ou cancro) e que podem dificultar o sono.

Da mesma maneira, problemas nutricionais, hormonais e neurológicos podem actuar directamente sobre o cérebro e dificultar a capacidade de dormirmos o suficiente. Igualmente medicamentos que interferem sobre o sono, como descongestionantes, barbitúricos, benzodiazepinas (quando usadas por períodos longos) e o álcool.

Também as doenças psiquiátricas, como a esquizofrenia, depressão e ansiedade provocam frequentemente insónias, geralmente resolvidas quando a doença é convenientemente tratada.

A insónia ocasional, originada por stress psicológico ou físico pode tornar-se crónica, transformando o leito numa zona de terror o que ajuda ao avantajar da insónia e impossibilita o retorno a um nível normal de sono.

 

Como combater

Medicamentos e terapias comportamentais são igualmente úteis no tratamento da insónia. O lado comportamental evidencia os bons hábitos de dormir. Por exemplo, por mais ensonada que esteja uma pessoa que sofre insónias nunca deve fazer uma sesta à tarde.

Quem sofre deste problema não deveria deitar-se a não ser que se sinta realmente cansado e levantar-se após uns 20 minutos de mal sucedidas tentativas para adormecer.

Devem, então, fazer qualquer coisa calma, como ler um livro, por exemplo. Deveria, igualmente, usar o despertador para acordarem sempre à mesma hora sete vezes por semana.

O exercício durante o dia ajuda a adormecer na altura de ir para a cama. Técnicas de relaxe, que incluem exercícios respiratórios e musculares podem igualmente ser úteis para reduzir a ansiedade anterior ao período de ir dormir. A acunpuncptura, as massagens, a terapia através da música parecem ter efeitos calmantes para os insomníacos. Há também à venda aparelhagens electrónicas que produzem um ambiente de ruído «branco» capaz de criar um ambiente calmante.

A insónia é talvez a mais frequente perturbação do sono afecta mais mulheres que homens. A causa pode estar em problemas físicos ou psicológicos: há doenças que provocam dores ou mal-estar (asma, palpitações cardíacas, indigestão ou cancro) e que podem dificultar o sono.

Da mesma maneira, problemas nutricionais, hormonais e neurológicos podem actuar directamente sobre o cérebro e dificultar a capacidade de dormirmos o suficiente. Igualmente medicamentos que interferem sobre o sono, como descongestionantes, barbitúricos, benzodiazepinas (quando usadas por períodos longos) e o álcool.

Também as doenças psiquiátricas, como a esquizofrenia, depressão e ansiedade provocam frequentemente insónias, geralmente resolvidas quando a doença é convenientemente tratada.

A insónia ocasional, originada por stress psicológico ou físico pode tornar-se crónica, transformando o leito numa zona de terror o que ajuda ao avantajar da insónia e impossibilita o retorno a um nível normal de sono.

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.