Alzheimer: O desafio dos cuidadores - Médicos de Portugal

A carregar...

Alzheimer: O desafio dos cuidadores

21 Setembro, 2014 0

O diagnóstico é o ponto de partida para os primeiros cuidados. Ser cuidador de um doente de Alzheimer implica esforço, perseverança, dedicação extrema, para que a pessoa viva com dignidade. A tarefa não é fácil. O desafio é imenso. Estarão os familiares preparados?

Ninguém está preparado para receber a notícia de que um familiar sofre de doença de Alzheimer. A pensar nos familiares que têm de reaprender a viver e de ganhar formas estratégicas para lidar com esta patologia que se pode tornar incapacitante, a Associação Alzheimer Portugal organiza workshops com regularidade. O objectivo é responder a questões frequentes e saber quais os apoios sociais existentes para o acompanhamento da pessoa com demência. Os exercícios são práticos. O desafio é recompensador. Os formandos têm a possibilidade de abordar diversas questões que surgem desde o início da doença até aos novos cuidados que passaram a fazer parte da sua vida diária. No final, pretende-se que adquiram capacidades para lidar com as dificuldades da doença e prestar os cuidados essenciais para o bem-estar e a melhor qualidade de vida dos seus familiares.

“Muitas vezes, os cuidadores informais não sabem como lidar com a doença de Alzheimer. É importante percebermos a fase da patologia em que o familiar está, e termos sempre em conta a sua história de vida. É fundamental promover a dignidade/qualidade de vida da pessoa com demência”, indica Marisa Mendes, responsável pelo workshop intitulado “Alzheimer, Um Desafio Pessoal: Respostas Sociais Dirigidas à Pessoa com Demência e Seus Cuidadores”.

 

Por onde começar?

Quando o cuidador informal recebe a notícia de que um familiar sofre de Alzheimer, encontra-se perdido porque não tem conhecimento dos apoios que existem. Muitos dos cuidadores nem sequer sabem da existência da Associação. Que respostas dar? Como as obter? Como enfrentar a doença e cuidar dos familiares? Marisa Mendes tentará responder a estas e a outras questões e dará algumas dicas importantes para que os cuidadores informais desempenhem este papel principal com coragem, determinação e conhecimento. “Os cuidadores que participam nestes workshops podem até não necessitar daquela informação no momento – numa fase inicial, por exemplo -, mas podem querer saber como cuidar da pessoa com demência a longo prazo porque se sentem perdidos. Há que tentar fornecer as respostas a curto, médio e longo prazo que são específicas para cada fase”, indica a assistente social da Alzheimer Portugal.

 

Apoios sociais

Uma pessoa com demência necessita de ter este acompanhamento regular. “O utente deve ser visto por um médico especialista, que lhe prescreverá determinada medicação adequada à fase da patologia em que se encontra. No entanto, a intervenção não farmacológica também é fundamental porque as actividades direccionadas para a pessoa com demência são muito benéficas, sobretudo para estimular e evitar a progressão da patologia”, aconselha Marisa Mendes.

Os cuidadores informais podem ainda contar com Centros de Dia e com o Serviço de Apoio Domiciliário, os quais, dependendo das instituições, se responsabilizam pelo fornecimento das refeições, pela higiene pessoal e pelo apoio na medicação que o utente tem de tomar. “A Alzheimer Portugal tem uma bolsa de auxiliares, a quem damos formação específica e que já possuem experiência nesta área. O familiar pode trabalhar e contratar um auxiliar para alguns momentos do dia, desempenhando funções muito específicas relacionadas com o dia-a-dia e o acompanhamento da própria pessoa com demência”, acrescenta a assistente social.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.