Adolescentes: Relógios desregulados - Médicos de Portugal

A carregar...

Adolescentes: Relógios desregulados

1 Novembro, 2014 0

São assim os relógios internos dos adolescentes: desregulados. Assim se explica em parte que adiem ao máximo a hora de deitar e que acordem ensonados. Parecem que nunca têm sono, mas a verdade é que precisam de dormir para manterem a concentração.

Fazer um adolescente ir para a cama é tarefa árdua e ingrata para os pais.

Resistem até mais não, mesmo quando não há tarefas para terminar: ficam em frente ao computador ou à televisão ou à consola de jogos, quantas vezes flagrantemente insones, mas nada de se deitarem… E de manhã, nova tarefa árdua: acordá-los. Reclamam o sono que não dormiram, adiando ao máximo o momento de se levantarem para ir para a escola. E quando saem de casa ainda vão meio a dormir e assim permanecem muitas vezes nas aulas…

Serão preguiçosos? Estarão a desafiar as regras? Não, o que acontece é que este padrão de comportamento tem uma causa fisiológica: é consequência da puberdade. Todos nós temos um relógio interno que, entre outras funções, influencia a temperatura do corpo, o apetite e os ciclos de sono. Uma criança sente, normalmente, sono pelas nove ou dez horas da noite, às vezes antes. Mas a puberdade atrasa o relógio, adiando a hora a que o adolescente começa a ter vontade de dormir. A esta razão interna juntam-se depois factores externos, relacionados com o modo de vida: o estudo (deixado para o fim do dia ou prolongado em véspera de testes e exames, por exemplo) e a socialização fá-los deitarem-se ainda mais tarde.

O resultado é que a maioria dos adolescentes provavelmente dorme pouco, dorme seguramente menos do que as nove horas de sono consideradas adequadas. Parecem muitas horas, mas a verdade é que o sono é vital para o bem-estar, é tão vital como comer, beber, respirar. O sono é, aliás, uma espécie de alimento para o cérebro: é durante a noite que ocorrem muitas das funções mais importantes do organismo. E quando o cérebro não recebe o alimento de que necessita o mais natural é que acabe por reclamá-lo quando menos se espera: daí a sonolência diurna.

E quando não se dorme o suficiente, facilmente se fica mais irritável, com mudanças de humor bruscas e improváveis noutras circunstâncias. A concentração e a aprendizagem são afectadas, o que pode comprometer o desempenho escolar. E quando os adolescentes já conduzem, aumenta o risco de um acidente: a sonolência diurna é uma das causas comprovadas de sinistralidade rodoviária.

É comum tentar compensar o sono perdido durante a semana com horas extra ao fim-de-semana. Parece mesmo a solução mais lógica, mas na realidade acaba por confundir ainda mais o relógio interno dos adolescentes.

Deitarem-se mais cedo do que o habitual, procurando forçar o sono, também não resulta: pelo contrário, acaba em insónia e cansaço.

[Continua na página seguinte]

Para noites melhor dormidas

Significa isto que os adolescentes devem ficar à mercê do seu relógio interno e dos hábitos que são próprios desta idade de transição? Não! Pode não ser tarefa fácil, mas há algumas formas de promover a qualidade do sono. Antes de mais, é preciso que compreendam a verdadeira importância do sono: para quem tem pressa de viver, como é típico desta fase, dormir pode parecer um desperdício, mas as horas de sono constituem uma pausa essencial para o organismo.

Páginas: 1 2 3 4

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.