Surdez no Idoso é Fisiológica » Ouvido é o primeiro órgão a deteriorar-se - Médicos de Portugal

A carregar...

Surdez no Idoso é Fisiológica » Ouvido é o primeiro órgão a deteriorar-se

28 Abril, 2008 0

O ouvido humano envelhece, tal como a pele ou os olhos envelhecem e o cabelo branqueia. A surdez do idoso não é patológica, é fisiológica, a que se dá o nome de presbiacúsia. Só que numas pessoas ocorre mais precocemente do que noutras e isso deve-se, sobretudo, ao tipo de vida que se leva.

«Se a pessoa vive exposta a ruído ou se tem patologia otológica na evolução da sua vida pode ensurdecer mais precocemente», diz o Dr. Vasco Ribeiro, otorrinolaringologista. A audição, através do aparelho auditivo, forma-se no embrião humano muito cedo. O ouvido é o primeiro órgão a funcionar – ao fim de três meses de gestação –, mas é também o primeiro órgão a entrar em deterioração, dado que, fisiologicamente, a audição perde-se a partir de determinada idade. No fundo, a surdez é o esgotamento metabólico da célula sensorial da audição. «Nós ouvimos através das células ditas sensoriais, que estão localizadas no ouvido interno, mas essas entram em falência e morrem porque não têm o alimento, ou seja, o oxigénio que chega através das artérias», pormenoriza o especialista. É que as artérias, ao sofrerem processos de esclerose ou de arteriosclerose, enrijam e não levam o sangue em quantidade suficiente ao ouvido interno, que, sendo pouco vascularizado, acaba por receber pouco oxigénio. «Embora a surdez surja sempre, é óbvio que não nos devemos expor ao grande inimigo da audição, o ruído. E as pessoas com doenças do ouvido devem estar mais atentas quando chegam a esse grupo etário», refere Vasco Ribeiro. A surdez tem solução A surdez é uma anomalia que provoca alterações de humor, irritabilidade fácil e frequente ou desconfiança. As pessoas que padecem desta patologia perdem-se no silêncio, isolam-se e, muitas vezes, recusam qualquer tipo de apoio. O doente tem mais dificuldade em comunicar e em adaptar-se. «O idoso acaba por vir à consulta acompanhado da família porque se perdeu um pouco na inutilidade e na inoperância de qualquer acto terapêutico. É errado pensar que a surdez não tem cura ou que é da velhice porque tem sempre o recurso à prótese auditiva», afirma, com veemência, Vasco Ribeiro. Acrescenta, ainda, que «o idoso deve procurar reagir às suas insuficiências enquanto a Medicina for capaz de lhe suprir as mesmas através de tratamentos médicos ou das próteses auditivas que, hoje, estão muito sofisticadas e têm óptimos resultados numa readaptação social e na melhoria da qualidade de vida». Curioso é que a reacção à prótese auditiva é muito variável. Segundo o nosso interlocutor, «há pessoas que continuam a recusar as próteses, por muito boas que sejam, por uma questão de vaidade e, nos dias de hoje, a maior parte delas não tem qualquer fio exterior, porque são aplicadas dentro do canal auditivo». Talvez porque se sintam incapacitados, daí o trabalho do audioprotesista ser crucial. «Deve ser uma pessoa muito competente, capaz de proceder a uma adaptação protésica eficaz», frisa o otorrinolaringologista.

Vasco Ribeiro considera ponto de honra alertar os idosos para as campanhas publicitárias de venda de próteses auditivas que, em seu entender, devem ser sempre submetidas a prescrição pelo médico especialista. E deixa o alerta: «A prótese não deve ser adaptada indevidamente, deve ser indicada de acordo com o nível de surdez, com os exames e o estudo que se faz à pessoa e ainda deve ser testada tecnicamente. Tenho recusado aparelhos auditivos a doentes que não têm necessidade de os pôr mas que já vinham com eles colocados». Cera pode ser um obstáculo à transmissão do som Sabia que um rolhão de cerúmen (cera acumulada) pode provocar quedas auditivas entre 30 a 40 decibéis? Vasco Ribeiro explica que «a cera é um fenómeno fisiológico com a importante função de fixar partículas estranhas – extraídas posteriormente para não prejudicar o ouvido –, mas que quando transformada no tal rolhão pode ser um obstáculo à transmissão do som através do canal auditivo. Já tive casos de pessoas que julgavam estar a ficar surdas e que quando foi retirado o rolhão de cerúmen voltaram a ouvir normalmente». As pessoas com mais tendência para formar cera são as que transpiram muito e as que têm uma higiene exagerada, aquelas que usam as cotonetes para limpar o ouvido. «As cotonetes vão eliminando a possibilidade de formação de pelinhos que ajudam a cera a sair, havendo assim uma acumulação de cera a longo prazo», esclarece o especialista. Por outro lado, a própria constituição anatómica do canal auditivo e as características da pele do canal também podem contribuir para a formação de cera em demasia. Vasco Ribeiro considera que nunca é demais sublinhar que é «sempre aconselhável uma consulta ao especialista de otorrinolaringologia em caso de perturbação auditiva».

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.