Pele sob pressão - Página 2 de 2 - Médicos de Portugal

A carregar...

Pele sob pressão

19 Dezembro, 2014 0

Perante o primeiro sinal de risco – a vermelhidão – é fundamental aliviar a pressão sobre a região do corpo afectada, o que passa por uma mudança frequente de posição e/ou colocação de uma superfície de apoio (uma almofada, por exemplo) entre a pele e a cadeira de rodas ou a cama. Desta forma, reduz-se a pressão e previne-se o agravamento da úlcera. Se a pele já tiver fissuras há que lavá-la (com água morna e sabão neutro, com toques muito suaves, sem esfregar) e depois cobri-la com um penso que contribui para promover a cura, mantendo a ferida húmida, o que constitui uma barreira contra a infecção, e mantém a pele circundante seca, de modo a evitar a progressão para áreas adjacentes.

Está disponível uma variedade de pensos incluindo filmes, gazes, geles, espumas e vários revestimentos, que ajudam à regeneração da escara. Nas situações mais graves, pode ser necessário eliminar a pele morta ou infectada, tarefa que deve ser desempenhada por um profissional de saúde, nomeadamente por um médico ou enfermeiro.

 

Prevenir é sempre melhor

É verdade que as úlceras de pressão são frequentes em pessoas imobilizadas, mas não são inevitáveis. É possível preveni-las e os primeiros cuidados são muito simples – passam por mudar a pessoa de posição, de preferência de duas em duas horas, para doentes acamados, e de hora a hora para doentes em cadeiras de rodas. Passam igualmente por aliviar a pressão, por exemplo com almofadas, protegendo as superfícies da pele que estão mais em contacto com a cama ou com a cadeira de rodas. É claro que tudo depende também do grau de (i)mobilidade do doente.

[Continua na página seguinte]

Manter a pele limpa, hidratada e seca também ajuda à prevenção, uma vez que a humidade, nas zonas circundantes da escara, ajuda à progressão das úlceras. Outra grande ajuda passa pela nutrição do doente. É comum que uma pessoa acamada ou com dificuldades de locomoção, por exemplo, em consequência de paralisia, tenha pouco apetite e que fisicamente até lhe seja difícil deglutir.

No entanto, é necessário evitar a perda de peso (um factor de risco acrescido para o desenvolvimento de úlceras).

Assim, deve ser dada a máxima atenção à alimentação, cuidando para que haja uma adequada ingestão de proteínas, vitaminas e minerais.

Também uma hidratação apropriada é importante para manter a pele saudável, por isso é fundamental estar atento a sinais de desidratação tais como, diminuição da produção de urina ou urina mais escura, boca seca ou pegajosa, sede, pele seca, ou prisão de ventre.

Optar por alimentos menos consistentes (sumos, sopas, purés) também pode favorecer a necessária ingestão de nutrientes. Em alguns casos, pode ser necessário recorrer a suplementos hiperproteicos e hipercalóricos, de modo a compensar a insuficiência de nutrientes fornecidos pela alimentação habitual.

www.anf.pt

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.