Encontro com a Dr.ª Rosa Gallego - Médicos de Portugal

A carregar...

Encontro com a Dr.ª Rosa Gallego

1 Fevereiro, 2005 0

No domingo, 14 de Novembro, comemorou-se mais um Dia Mundial da Diabetes. Este ano, o enfoque da sociedade médica nacional foi a obesidade, esse grande factor de risco para o aparecimento precoce de uma diabetes adormecida.

A Associação de Diabéticos do Concelho de Ílhavo (ADCI) não quis deixar passar despercebida esta data tão significativa para os seus associados e, concretizando um sonho alimentado desde a sua fundação, há cerca de três anos, conseguiu trazer, mais uma vez, até estas terras marujas rodea­das pelos extensos mantos de água da grande laguna, a sua amiga e madrinha Dr.ª Rosa Gallego, actual coordenadora do Grupo de Estudos da Diabetes, da Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral.

A jornada do fim-de-semana versou o tema «O pé do doente diabético», e constou de duas partes: na noite do dia 12, uma sessão para médicos e, no sábado de tarde, uma sessão para os associados e população em geral do concelho de Ílhavo.

12 de Novembro. Fim de tarde. O tempo estava mara­vilhoso. Ou não fosse o Verão de S. Martinho. Apesar dos IC’s, dos IP’s e das A’s, chegar a Ílhavo pode não ser tão fácil como à primeira vista possa parecer. Não fosse haver algum percalço, decidi marcar encontro com a Maria Rosa (como gosta de se chamar a si própria) à saída do Hospital Infante D. Pedro, em Aveiro, e servir de guia rumo à cidade de Ílhavo. Esperava–nos uma plateia de três dezenas de médicos da carreira de Medicina Geral e Familiar, colegas nossos de diferentes centros de saúde da Região, como Ílhavo, Estarreja, Aveiro, Vagos ou Albergaria, todos eles interessados no tema que se iria debater: o pé do doente diabético.

Com a força de presença a que nos habituou, a Maria Rosa nem me deu tempo para a apresentar e foi, assim, directa ao assunto: «Ala, que se faz tarde». Honrou-nos, de sobremaneira, a presença na plateia do Dr. Simões Pereira, endocrinologista do Hospital Infante D. Pedro, grande dinamizador científico da ADCI e responsável pela vigilância e controlo de retaguarda de uma vasta população de diabéticos residentes na área de influência do Hospital Infante D. Pedro.

Depois da sessão e do jantar de convívio, a noite ia longa e o cansaço já carregava no rosto e nas palavras da Dr.ª Rosa Gallego. Afinal, estivera a trabalhar no seu Centro de Saúde de Vila Franca de Xira até às três e tal da tarde, fizera a viagem até Ílhavo e ainda dinamizara aquela sessão científica para os colegas, cujos silêncio de ouvintes atentos e solicitações de esclarecimentos finais provaram a importância e o êxito desta iniciativa. Depois de um «até amanhã» e «uma noite descansada», aguardou-se pelo sábado.

Às 10 da manhã, ali estava eu, no hall do Hotel de Ílhavo, mandando um «toque» à Maria Rosa. Fomos pela circular externa recém-inaugurada da cidade, rumo ao lugar da Vista Alegre, contíguo à cidade de Ílhavo, e onde nasceu e cresceu a fábrica de porcelana com o mesmo nome – Vista Alegre. A caminho, ficou-nos do lado direito a Feira dos 13, uma feira que se realiza mensalmente e onde se pode encontrar quase de tudo: os legumes, a criação, as roupas e as alfaias agrícolas são talvez os bens mais procurados.

Mas o nosso destino era mercar num local bem mais sofisticado: a loja da Vista Alegre. Com os olhos arregalados perante tanta beleza, o mais difícil foi saber conter os ímpetos para não esvaziar a bolsa. Esta coisa do cartão de crédito é muito útil e prática, mas tornou-se um instrumento sofisticadamente perigoso para as finanças domésticas. Ao fim de quase uma hora, saímos com poucos sacos brancos V.A. e muitos suspiros por aquilo que havíamos deixado nas prateleiras.

Não pudemos deixar de visitar o Museu da Fábrica, onde pela primeira vez se expunham as peças para o Leilão a decorrer nessa mesma tarde, no velho e precioso teatro de bolso da Vista Alegre, também ele pertença da fábrica. Entrámos no carro, mas não antes de aproveitarmos para passar pela «loja das oportunidades» da Fábrica e comprar aquele artigo de uso diário, que dá sempre jeito: a tigela para o pequeno-almoço ou para a sopa e, porque não, aquele bule tão giro ou o pratinho de Natal que faltava na colecção.

Depois de atravessar a ponte de madeira sobre o Canal de Mira, um dos muitos braços da ria, a paisagem obrigou-nos a parar: o espelho de água que reflectia o azul límpido do céu deixava-se atravessar pelo amarelo vivo da proa de um moliceiro esquecido junto à margem e, lá ao fundo, ao alto, erguia-se o telhado do casario abraçando a fábrica com traça dos finais do século XIX, e onde sobressai o torreão da capela da Vista Alegre, paredes-meias com o Palácio. Um postal que a Maria Rosa não quis deixar de registar em fotografia, na sua máquina digital, que começou a anunciar estar fraca de bateria. Esperava-se que ainda desse para tirar algumas fotos durante a sessão da tarde.

Páginas: 1 2 3 4 5

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.