Pele: Tratar depois do Verão - Médicos de Portugal

A carregar...

Pele: Tratar depois do Verão

2 Setembro, 2014 0

Para muitos portugueses, Setembro já não é tempo de férias, mas sim de regresso ao trabalho ou aos estudos. Regressa-se de corpo bronzeado, mas frequentemente a pele apresenta-se seca, baça e desidratada.

São as células mortas as responsáveis pelo aspecto seco e ressequido da pele depois do Verão. É uma pele com falta de água, que anseia por ser hidratada e tornar-se mais flexível. É por isso uma pele sensível, que tem nos raios solares um dos seus inimigos.

Mas não só. A combinação do sol com a água do mar e os cloros das piscinas são uma mistura explosiva. Hidratar a pele deve ser um gesto diário, de todo o ano, o segundo acto de uma rotina que começa com o banho.

Porém, nem sempre assim acontece, ou porque o tempo foge ou simplesmente porque nem nos lembramos que a nossa própria pele exige cuidados, de tão escondida que anda.

Mas hidratar é preciso, se queremos uma pele saudável, se queremos uma pele que sobreviva às agressões do meio ambiente. Porque não é só no Verão que a nossa pele sofre: tanto o frio, como o vento, o sol ou o ar condicionado atacam a humidade da pele. E uma pele desidratada é uma pele mais frágil.

A pele é naturalmente protegida por um filme hidrolipídico, uma espécie de barreira constituída por água e gordura. Contudo, se esta barreira não for reforçada por uma segunda linha – o hidratante que deve ser aplicado todas as manhãs – corre-se o risco de evaporação da humidade por via da acção do meio ambiente.

 

Escolher o hidratante

Não basta hidratar, há que adaptar a hidratação ao tipo de pele. E para isso é preciso conhecê-los. São basicamente três: pele seca, pele oleosa e pele normal. Quanto à pele mista, ela é uma mistura da pele seca em determinadas zonas do rosto e oleosa noutras.

Importa aqui falar da pele seca, pois é a que mais sofre no tempo quente. É geralmente uma pele clara, fina, pode apresentar-se ligeiramente rosada mas com uma aparência árida. E uma vez que é pobre em secreção sebácea, torna-se pouco elástica e desidrata com muita facilidade. A redução do nível de humidade torna-a ainda mais sensível. Manchas avermelhadas, rugas precoces são os sinais mais evidentes dessa sensibilidade.

Quando não é devidamente cuidada, a pele seca apresenta-se esbranquiçada, escamada, assemelhando-se a um terreno arenoso que não vê água há séculos… Os joelhos e os cotovelos são disso exemplo: tapados no Inverno, quase não “vêem” creme, ganhando uma textura áspera, esteticamente muito desagradável quando se revelam no Verão.

Merecem, pois, cuidados especiais, como uma esfoliação de vez em quando. Esquecidos costumam ser também o pescoço e o colo, mesmo quando se tem o hábito de hidratar o rosto diariamente.

Estão assim elencadas boas razões para se cuidar da pele seca. Desde logo, limpando-a correctamente. E para isso o mais adequado é um creme de limpeza, deixando o leite para peles normais e o gel para peles mais oleosas.

Páginas: 1 2 3 4

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.