Gaguez: Desafiar as palavras - Página 2 de 3 - Médicos de Portugal

A carregar...

Gaguez: Desafiar as palavras

1 Setembro, 2014 0

Com o desenvolvimento da linguagem, podem surgir alguns episódios de gaguez, mas transitórios. As crianças também têm tendência para repetir frases inteiras, o que não deve ser confundido com gaguez.

O apoio da família é essencial e deve, acima de tudo:

– Evitar aumentar a ansiedade, falando calmamente, sem pressões.

– Mostrar disponibilidade para ouvir as histórias que a criança tem para contar, valorizando-as.

– Resistir à tentação de a interromper, de a ajudar a completar as frases.

– Enriquecer o vocabulário da criança, através da leitura de uma história ao deitar.

– Evitar a exposição a situações complicadas, que provoquem ansiedade, mas sem mergulhar numa hiper-protecção.

– Fazer jogos, incluindo canções e versos. A criança gaga reage muito bem a tudo o que é entoado com ritmo.

 

Para suavizar o problema

A terapia da fala pode ser útil para conquistar uma linguagem mais fluida. Por sua vez, as técnicas de relaxamento podem ajudar o indivíduo a aprender a relaxar em situações de maior ansiedade.

É fácil imaginar o stresse associado a uma incapacidade de dizer, por exemplo, o próprio nome durante uma entrevista de emprego…

Há certas palavras que parecem atraiçoar um gago. O discurso até pode estar a correr fluido e coerente, mas há sempre um momento em que é traído por certas sílabas que obrigam a hesitar ou a repetir e repetir até se conseguir pronunciar completamente a palavra. Aliás, com a experiência, as pessoas gagas evitam pronunciar determinados vocábulos.

O “iceberg” é uma imagem elucidativa para explicar o que ocorre na gaguez: a parte visível é bem menor do que a parte invisível, como os sentimentos negativos, como a tensão e o medo de falhar. Se pensarmos que a comunicação é a base das relações sociais, os efeitos desta perturbação na vida de um indivíduo podem mesmo condicioná-la.

A gaguez caracteriza-se por uma perturbação da fluência do discurso, podendo ocorrer repetições, bloqueios e demora na emissão de palavras ou prolongamento de sons. Tende a surgir na infância, sendo mais predominante nos rapazes.

Em grande parte dos casos, a gaguez regride até à fase final da infância, podendo contudo manter-se por toda a vida, afectando a vida social e profissional do indivíduo, e podendo interferir no rendimento escolar da criança, pelo que há que estar atento a qualquer perturbação da linguagem, em particular, e da comunicação, de uma forma mais ampla.

Na escola, os atropelos de linguagem também se sobrepõem. A criança pode sentir-se pressionada e a gaguez torna-se então mais evidente. O que – sabendo nós como os mais pequenos podem ser cruéis uns com os outros – pode torná-la motivo de troça e riso dos demais.

Criança ou adulto, o gago é pressionado por acontecimentos geradores de stresse e ansiedade, como falar em público. Quando uma criança brinca sozinha com os seus bonecos ou o seu animal de estimação, o mais provável é não gaguejar. Se cantar num coro, também não: as palavras escorrem, porque não há interlocutor directo, não há diálogo.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.