Cancro da Mama: Como prevenir e diagnosticar - Página 3 de 3 - Médicos de Portugal

A carregar...

Cancro da Mama: Como prevenir e diagnosticar

3 Março, 2009 0

Há várias mamografias mas, a mamografia digital directa em campo inteiro como aquela que possuímos, é sem dúvida uma ajuda preciosa na observação de pequenos detalhes, nomeadamente nos seios densos, que nos vão permitir fazer um diagnóstico correcto.

O diagnóstico das lesões da mama deve ser sempre um “diagnóstico combinado”.

Métodos e técnicas de diagnóstico

É por isso que se deve fazer sempre o exame clínico, onde a pesquisa dos factores de risco, a inspecção e palpação das glândulas, antecedem o estudo ecográfico que realizamos sistematicamente. Utilizamos o ecógrafo de gama alta, sonda 3D e 4D de alta frequência, e possibilidade de introduzir o Doppler (estudo vascular), fazendo sempre um varrimento completo de ambos os seios, método que nos permite uma leitura dos nódulos, sólidos ou líquidos, estudo da região retro-mamilar e retro-mamária, além naturalmente de toda a estrutura. Esta metodologia tem-nos ajudado a interpretar melhor as alterações observadas em mamografia. Se permanecem dúvidas, ou se se pretende confirmação de lesões mamárias observadas, nomeadamente neoplásicas malignas, dispomos de outras técnicas: a RMM ou a intervenção mamária (microbiópsia) para estudo histológico.

Assim, cabe ao radiologista decidir quando deverão ser utilizadas outras técnicas.

Consideramos hoje, nos casos de cancro da mama, o estudo de ambos os seios por RMM, técnica que permite uma confirmação da suspeita mamográfica/ecográfica e avaliar da sua extensão, localização, da sua focalidade se única plurifocal ou multicêntrica, assim como do envolvimento dos gânglios axilares, permitindo uma avaliação loco-regional da lesão, factores que condicionam a atitude terapêutica e determina o seu prognóstico.

Este exame deverá, se possível, ocorrer antes da intervenção mamária, pois as complicações desta (hemorragias) podem mascarar e dificultar o estudo morfológico e cinético da lesão.

Após a realização da RMM e perante os resultados, poderá ser necessário para o cirurgião (técnica do gânglio sentinela) conhecer o tipo histológico da lesão.

Em mesa horizontal exclusiva para intervenção mamária em sala própria, procede-se por estereotaxia digital à microbiópsia da lesão que poderá ser realizada por várias técnicas diferentes, de acordo com o pretendido e em face das características da lesão.

Fazer hoje patologia mamária obriga a que os radiologistas conheçam as diferentes técnicas e disponham de um vasto equipamento particularmente dispendioso.

As frequências das observações devem estar dependentes da idade da utente, dos seus factores de risco, do seu padrão mamário, do conhecimento do exame anterior, se em menopausa, se está ou não a fazer T.H.S.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.