Alzheimer - Médicos de Portugal

A carregar...

A Doença de Alzheimer está, na maioria dos casos, relacionada com o envelhecimento. O aumento do número de situações diagnosticadas é, por isso, uma consequência directa do actual sucesso da Medicina em prolongar a vida.

Embora a maioria dos idosos consigam manter uma razoável saúde mental e física, a Doença de Alzheimer torna-se mais frequente, nas pessoas muito idosas [com mais de 85 anos].

A Doença de Alzheimer (DA) é uma perturbação progressiva com manifestações clínicas bem definidas e comuns em todos os doentes, embora haja variações na idade de início e padrão de progressão da doença. É característica da DA a perda de neurónios colinérgicos e o achado no córtex cerebral de grande número de Placas Amilóides associadas a Novelos Neurofibrilhares.

Até ao início da década de 80 o diagnóstico de DA era sobretudo por exclusão. Ou seja, considerava-se a existência de DA após serem excluídas as causas diagnosticáveis para outro tipo de perturbações cognitivas, nomeadamente: alterações metabólicas e nutricionais, situações tóxicas, doenças infecciosas, vasculares e outras.

Actualmente, considera-se que o diagnóstico da DA deve ser principalmente um diagnóstico de inclusão, podendo em 80 por cento dos casos ser feito pela avaliação clínica psiquiátrica.

O diagnóstico deve ser apoiado numa observação psiquiátrica cuidada e rigorosa utilização de escalas de avaliação neuropsicológica, associadas a critérios de diagnóstico bem definidos. A utilização de exames imagiológicos avançados e de marcadores periféricos específicos, detectáveis por análises clínicas, ainda se restringe à investigação.

É normal, com o avançar dos anos, uma demora maior em adquirir novas informações e recordar acontecimentos anteriormente experimentados. Por outro lado, alguns doentes deprimidos, têm queixas subjectivas de dificuldades de memória que podem dificultar o diagnóstico. É por isso importante fazer o diagnóstico em indivíduos com mais de 65 anos que se queixem de dificuldades de memória, distinguindo as situações que podem ser atribuídas a envelhecimento normal e o início de Doença de Alzheimer.

Não sendo, no presente, possível fazer a prevenção do envelhecimento, é no entanto possível intervir em certas situações patológicas associadas à idade, através de estímulo para hábitos de vida saudáveis, preparação para a 3ª idade e vigilância médica regular.

Está comprovado que o treino das funções mentais e físicas aumenta a longevidade e a qualidade de vida, devendo tanto quanto possível evitar-se que a passagem à reforma signifique uma diminuição da actividade. Existem ainda perturbações de memória, como as de causa vascular, que podem ser prevenidas e em alguns casos tratadas.

[Continua na próxima página]

O tratamento farmacológico actual da DA recai nos inibidores da colinestrase, (donepezil, rivastigmina e galantamina) e nos Antagonistas NMDA (memantina). Estes fármacos permitem, durante um período de tempo variável, melhorar ou diminuir a progressão da doença. Encontram-se em fase avançada de investigação, fármacos que poderão reverter os prejuízos da DA como a Vacina – amilóide, e os Inibidores da Secretase.

Embora a evolução da doença seja irreversível, a medicação permite, quase sempre, melhorar a qualidade de vida destes doentes, podendo assim adiar ou evitar a institucionalização, motivo porque o diagnóstico precoce tem aspectos clínicos práticos.

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.