Otites - Dores que desesperam - Médicos de Portugal

A carregar...

Otites – Dores que desesperam

29 Abril, 2014 0
otites-1200x400.jpg

O aparecimento de uma otite não raras vezes é motivo para uma consulta de pediatria. O importante é não desesperar com o desespero das crianças. Quem não se lembra como são horríveis as dores de ouvidos?

Mais habituais nas crianças do que nos adultos, as otites são um tormento para os pais, que para aliviar as dores da sua criança não hesitam em ir a correr para o hospital. Mas calma, as otites são comuns e passageiras, e claro que devem ser vigiadas.

Como é sabido, o inverno é uma altura do ano propícia ao aparecimento de infecções respiratórias, que resultam da transmissão de vírus e bactérias entre as pessoas. Ainda que estas ocorrências afectem sobretudo a faringe e/ou o nariz, por serem zonas de cruzamento de diferentes vias, podem originar o impedimento do canal de arejamento do ouvido. Isto porque a trompa de Eustáquio – canal de comunicação entre o nariz e o ouvido – fica obstruída, impede a ventilação dos ouvidos e permite a ascensão de secreções contaminadas para o ouvido médio.

SINAIS DE OTITE

Para além das dores, a otite tem outros sintomas associados, são eles:

  • Febre
  • Alterações do sono
  • Perda de equilíbrio
  • Problemas de audição
  • Alterações dos hábitos intestinais, situações de diarreia

 

CRIANÇAS SOFREM

De facto, a infecção do ouvido (otite média aguda) é uma patologia muito frequente nas crianças, particularmente entre os 3 meses e os 3 anos. Isto deve-se ao facto do ouvido da criança ainda estar em desenvolvimento, sendo a trompa de Eustáquio mais pequena e estreita, permitindo o acesso mais fácil das bactérias e vírus ao ouvido médio. Outro factor é o tamanho dos adenóides nas crianças, maiores que num adulto. Localizados na zona da nasofaringe, os adenoides são uma importante defesa do organismo contra as doenças das vias respiratórias contribuindo para a eliminação de vírus e bactérias, mas quando inflamados podem obstruir a passagem de fluidos nasais e consequentemente a trompa de Eustáquio, resultando em retenção dos fluídos no ouvido médio e causar as ditas otites.

A intensidade das dores provocadas pelas otites motiva a marcação de uma consulta de pediatria. Quanto à origem é na maioria dos casos viral, mas também podem resultar de uma infecção bacteriana.

Os bebés são mais afectados, sobretudo se frequentam creches e infantários devido à transmissão de vírus, comum nesses espaços. E, como não conseguem acusar a dor, ficam irritadiços, choram imenso e têm febre elevada.

O período entre a manifestação destes sintomas e o início do tratamento pode ser desesperante quer para o bebé quer para os pais. Por isso, há que manter a calma antes de o problema ser solucionado.

As soluções terapêuticas dependem da origem da dor e da gravidade. O tratamento inicial consiste no alívio da dor e da febre. Se a otite for provocada por uma bactéria, o médico pode recomendar a utilização de um antibiótico para eliminar a infecção. Em todos os casos, o melhor é estar atento à evolução dos sintomas e esclarecer qualquer dúvida com o seu farmacêutico.

OUVIDOS DE NADADOR

Sendo a natação um dos desportos mais completos e recomendados para o desenvolvimento das crianças, é também frequente que estes pequenos “peixes na água” sofram de otite externa, também chamada “otite do nadador”. Esta é mais frequente no Verão, altura em que as crianças permanecem mais tempo dentro de água, mas comum no Inverno com o desporto em piscinas.

Páginas: 1 2

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.