Escoriações: O melhor é desinfectar - Médicos de Portugal

A carregar...

Escoriações: O melhor é desinfectar

30 Maio, 2014 0

As escoriações – arranhões é o nome mais comum – são lesões da pele que, quase sempre, se tratam com o recurso ao kit de primeiros socorros. E com a intervenção profissional da farmácia.

Acontecem a qualquer um, embora seja certo que as crianças estão mais sujeitas ao tipo de acidente que resulta numa escoriação. As brincadeiras, os jogos ou a simples distracção podem acabar em pequenas lesões da pele.

Chamamos-lhe arranhões mas o mais correcto seria escoriações – seja como for, trata-se de uma lesão superficial da pele causada, quase sempre, pelo atrito com superfícies rugosas.

Geralmente, sangram pouco mas são muito dolorosas, até porque costumam ficar partículas de sujidade e da superfície com que a pele esteve em contacto.

Na maioria das vezes, são lesões sem gravidade e que, como tal, se tratam com recurso aos chamados primeiros socorros, medidas imediatas que, nas situações mais ligeiras, são suficientes para as controlar e manter o estado de saúde mas que, em extremo, permitem salvar vidas funcionando como ajuda de emergência.

A limpeza e desinfecção de escoriações, bem como os gestos tendentes à sua cicatrização adequada, enquadram-se neste conceito, bastando, para o efeito, ter à mão um conjunto básico de material.

O primeiro dos gestos passa, porém, pela higiene das mãos de quem vai prestar os cuidados – seja o próprio, seja outra pessoa (que é o que acontece quando o acidente envolve uma criança) é fundamental lavar rigorosa mente as mãos. Água corrente e sabão ou uma solução desinfectante são suficientes: o que está em causa é prevenir infecções.

 

Limpar é importante

Lavar a ferida deve ser o cuidado seguinte: idealmente com água corrente, que ajuda a libertar eventuais detritos que tenham ficado presos à pele lesionada.

Se a ferida estiver a sangrar, há que deixar correr a hemorragia por alguns momentos, pois ela própria funciona como um mecanismo de limpeza – depois, com a ajuda de uma compressa, é preciso pressionar, de modo a facilitar a tarefa das plaquetas (estas células do sangue concentram-se, formando uma espécie de rolha que estanca a hemorragia).

Se uma escoriação sangrar isso não é, necessariamente, sinal de gravidade: é que os minúsculos vasos sanguíneos da pele facilmente se rompem. E por serem mínimos é que as hemorragias resultantes das escoriações não costumam ser graves, parando até rapidamente e de forma espontânea.

Depois de limpa, dependendo das situações, poderá ser aplicada no local da escoriação uma pomada antibiótica, cujo objectivo é lutar contra uma eventual infecção. Se houver lugar a inchaço pode ser aplicado frio sobre a ferida – mas nunca directamente, pois há o risco de causar uma queimadura da pele; em vez disso, deve usar-se um saco de gelo próprio ou sacos de gel que se congelam e são reutilizáveis.

[Continua na próxima página]

Mesmo quando a escoriação é ligeira, é conveniente protegê-la com um penso adequado ou uma ligadura: o importante é que a pele possa respirar e ficar protegida dos agentes microbianos.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.