Cabelo em queda livre - Médicos de Portugal

A carregar...

Cabelo em queda livre

18 Novembro, 2014 0

Na avaliação da queda de cabelo é importante o conhecimento do ciclo de vida do mesmo. Cada folículo piloso tem uma fase de crescimento de 2 a 5 anos, sendo seguida por uma fase de repouso, que dura 3 meses e termina no desprendimento do cabelo.

Normalmente 15% dos folículos estão na fase de repouso, sendo estes os cabelos que causam a queda regular e diária de cerca de 60 a 100 cabelos, a qual atinge o seu máximo no final da Primavera e do Verão. Os diversos desequilíbrios deste ciclo levam à ‘’queda de cabelo anormal”, também designada alopecia, em linguagem médica.

É importante conhecer os diferentes tipos de alopécia dado que algumas são temporárias e outras justificam uma avaliação médica. Quando existe destruição dos folículos pilosos, dá-se o nome de Alopecia Cicatricial. Pode surgir após infecção, tracção, trauma ou tumor do couro cabeludo.

Nestes casos, há uma perda definitiva de cabelo nesses locais. Quando tem origem numa doença inflamatória do próprio folículo, deve realizar-se uma biopsia de pele e análises sanguíneas, que poderão ajudar ao diagnóstico.

Utilizam-se tratamentos locais e fármacos anti-inflamatórios orais que podem travar ou reduzir o avanço da doença se forem dados no seu início.

As Alopécias não Cicatriciais resultam de patologias muito variadas, podendo ser difusas ou mais usualmente localizadas. Já na Alopecia Androgenética (AA) a queda é lenta e raramente difusa.

Sob acção dos androgénios (hormonas masculinas presentes nos dois sexos embora em percentagens diferentes), em indivíduos com tendência genética, verifica-se um aumento do número de folículos em fase de queda e um afilamento dos cabelos nos ciclos de crescimento seguintes.

Aos 50 anos, afecta 50% dos homens e 20-50% das mulheres, piorando com a idade. No homem é conhecida como calvície e localiza-se na região frontotemporal e no vértex, podendo existir cabelo apenas nas áreas laterais e posteriores do couro cabeludo, onde o cabelo nunca se perde.

Na mulher afecta as zonas centrais do couro cabeludo. A história e exame clínico são habitualmente suficientes para o diagnóstico. Nas mulheres jovens se há suspeita de alterações hormonais devem ser realizado um estudo. Existem tratamentos locais e orais eficazes no atraso da evolução da doença. Nos casos severos, o autotransplante de cabelo, realizado em centros especializados na técnica, é uma boa opção.

 

Porque cai o cabelo?

A causa mais comum de queda difusa é o Eflúvio Telogénico (ET). É provocado pela passagem dos folículos, antes do tempo, da fase crescimento para a de repouso, conduzindo a uma perda diária de cabelos de 25 a 30%, em vez dos normais 15%.

Uma técnica simples de testar é passar os dedos por entre uma madeixa de cerca de 50 cabelos. O normal é desprenderem-se 1 ou 2 cabelos. Mas, no ET, desprendem entre 10 ou 15.

[Continua na página seguinte]

Os emagrecimentos rápidos, o stress, os medicamentos, as alterações hormonais (pós-parto, inicio ou interrupção da pílula, patologia da tiróide), os tumores, as infecções, as anemias, as deficiências nutricionais, as doenças inflamatórias diversas, estão entre as principais causas.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.