Gripes & Constipações - Médicos de Portugal

A carregar...

Gripes & Constipações

1 Dezembro, 2014 0

Parecem doenças iguais, mas são muito diferentes. Têm em comum o facto de serem causadas por vírus e de serem mais frequentes no Inverno, mas divergem quanto à intensidade dos sintomas e quanto às suas potenciais consequências. São a constipação e a gripe.

Podemos constipar-nos e ter gripe em qualquer altura do ano, mas na verdade estas são doenças que se declaram com mais frequência no Inverno, pois é quando o nosso sistema imunitário está habitualmente mais fragilizado e os vírus responsáveis estão aparentemente mais activos, “beneficiando” das condições atmosféricas. Daí que, quando chega o frio, as consultas médicas e as urgências hospitalares estejam repletas de doentes com queixas respiratórias e que as farmácias sejam mais solicitadas para prestar aconselhamento sobre os cuidados mais adequados para obter alívio da sintomatologia. Muitas destas pessoas confundem as duas doenças, o que é compreensível, tendo em conta que apresentam alguns sintomas semelhantes.

Mas é importante saber como distingui-las para ter os cuidados apropriados  ao restabelecimento do estado de saúde e à prevenção de eventuais consequências, que, no caso da gripe, podem passar por uma pneumonia.

 

Um sem número de vírus…

A constipação pode ser causada por mais de 200 vírus diferentes. Alguns deles podem sobreviver até três horas fora da mucosa nasal, podendo ser transmitidos por contacto directo entre uma pessoa doente e uma pessoa saudável. O resultado são espirros, corrimento nasal, dores de garganta e tosse. Assoar o nariz torna-se então o gesto mais frequente. Por vezes, a cabeça dói e os músculos também. Mas habitualmente não há febre ou então esta é baixa.

Os sintomas surgem rapidamente após o contágio, cerca de dois a três dias depois, mas também costumam desaparecer em pouco tempo: geralmente em quatro a dez dias. É uma evolução natural, não havendo muito a fazer para a apressar: ingestão abundante de líquidos como água, sopas, sumos de fruta, inalação de vapor de água, sem necessidade de adicionar qualquer essência, e repouso são cuidados simples mas eficazes. Para aliviar alguns sintomas, há medicamentos que podem ser úteis, nomeadamente os descongestionantes nasais ou os analgésicos.

[Continua na página seguinte]

Este é um quadro que se pode repetir várias vezes ao longo do ano, incomodando mas sem causar danos maiores à saúde. Já a gripe pode ter outras consequências. É igualmente causada por um vírus – chama-se Influenza e tem a capacidade de “surpreender” as defesas do organismo, dado que altera a sua estrutura muito facilmente a cada ano que passa, e por isso não é possível adquirir uma imunidade definitiva contra a gripe. Tem, por isso mesmo, um grande poder de contágio, passando de umas pessoas para outras através da tosse, dos espirros e até ao falar e através do contacto com superfícies contaminadas. Ao contrário da constipação, a gripe provoca febre e elevada, acompanhada de sintomas como arrepios intensos, dores de cabeça, falta de apetite, dores musculares, uma sensação geral de mal-estar e prostração.

O tratamento inclui medidas semelhantes às que são indicadas para a constipação, reforçadas com a toma de medicamentos antipiréticos, que ajudam a baixar a febre. Importa ressalvar que, tanto no caso da Gripe como no da Constipação, não são adequados antibióticos, pois estes apenas são eficazes em doenças causadas por bactérias e não por vírus. Apenas nos casos em que ocorre uma complicação de origem bacteriana é que o médico pode ter necessidade de os prescrever.

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.