Passageiros de palmo e meio - Médicos de Portugal

A carregar...

Passageiros de palmo e meio

17 Agosto, 2009 0

Fazer férias com crianças implica cuidados adicionais. Para prevenir os pequenos acidentes em viagem e no destino. E para ir e voltar em segurança.

Cá dentro ou lá fora, as férias constituem uma pausa ansiada por toda a família. Mas, para que nada perturbe essa pausa, há que preparar a viagem com toda a segurança.

Quer seja de carro ou de avião, quer o destino seja uma cidade europeia ou uma ilha tropical, há que acautelar os pequenos acidentes e incómodos próprios de uma deslocação, sobretudo quando, entre os passageiros, os há de palmo e meio.

 

Crianças a bordo

Para muitos portugueses, o destino de férias é nacional, quase sempre rumo à praia, tendo o automóvel como meio de transporte. São banais as viagens de automóvel, fazem parte do dia-a-dia de miúdos e graúdos, a caminho da escola e do trabalho. Mas a segurança não pode ser banalizada, muito menos quando é longa a estrada que está pela frente. Não é que os acidentes dependam da distância, mas o imponderável espreita mais vezes quando essa estrada leva horas a percorrer, no meio de tráfego intenso.

E quando as crianças vão a bordo, a segurança começa por sentá-las bem para viajar. Sabendo que uma criança que viaje à solta ou ao colo está sujeita a um risco muito elevado: com um pescoço frágil e ossos pouco firmes, fica vulnerável em caso de embate ou travagem brusca. Um risco que se contraria usando um dispositivo de segurança adequado à idade e desenvolvimento. O que, aliás, é obrigatório, com a lei a punir a sua ausência.

A cada criança o seu sistema de retenção. Até chegar a altura em que o corpo já permite uma boa utilização do cinto de segurança, momento que é encarado como uma “promoção” mas que não deve ser antecipado.

Antes de viajar, há que verificar se a cadeira ou o banco estão bem colocados e fixos e que os respectivos cintos estão ajustados.

E durante a viagem há que vigiar, pois as crianças nem sempre resistem à tentação de se soltar. Para chegarem a um brinquedo ou para espreitar melhor por entre os bancos da frente…

Em nome da segurança, há outros gestos essenciais numa viagem de carro: bloquear centralmente as portas, para que os mais pequenos não as abram; manter as janelas fechadas, para prevenir que ponham a cabeça ou um braço de fora e se magoem; colocar um protector nas janelas se o sol incidir directamente sobre eles.

Na bagagem, convém incluir alguma paciência. Para entreter os passageiros de palmo e meio e responder às perguntas típicas – “Ainda falta muito?”ou “Quando é que chegamos?” fazem parte do repertório infantil em qualquer viagem, do primeiro ao último quilómetro.

Para os distrair, é útil fazer paragens: ir à casade-banho, beber água ou fazer um lanche à sombra atenua o cansaço da viagem. O que não se deve fazer é deixar a criança sozinha no carro, mesmo que seja por pouco tempo e mesmo que ela esteja a dormir.

Páginas: 1 2 3 4

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.