Hepatologia e Avanços no Tratamento do Carcinoma Hepatocelular - Página 2 de 3 - Médicos de Portugal

A carregar...

Hepatologia e Avanços no Tratamento do Carcinoma Hepatocelular

18 Novembro, 2008 0

Quando diagnosticado em fase precoce, com menos de 5cm, se o indivíduo em questão tiver menos de 65 anos, poderá ser submetido a um transplante hepático, que é uma das formas de tratamento mais eficazes. Outros tratamentos com eficácia são a cirurgia, e métodos que procuram a morte das células do tumor injectando no seu seio álcool (alcoolização) ou fazendo passar corrente eléctrica (radiofrequência). A quimioterapia convencional não é nada eficaz. No entanto, recentemente surgiu um fármaco inovador, administrado por via oral em comprimidos, que interfere com o crescimento das células e dos vasos que alimentam o cancro. Chama-se Sorafenibe e é o primeiro medicamento que está associado ao aumento do tempo de vida neste tipo de cancro, habitualmente de muito mau prognóstico.

Em resumo, para prevenir o hepatoma, evite o consumo excessivo de álcool, a hepatite B e C; faça análises regulares para detectar se o seu fígado está alterado, apesar de não ter sintomas (peça ao médico para fazer a ALT), e se tiver cirrose não se esqueça de fazer uma ecografias de 6 em 6 meses.

 

Dr. Rui Tato Marinho,
MD, PhD Adviser of the Viral Hepatitis Prevention Board,
Presidente da APEF – Associação

O tumor maligno que se origina nas próprias células do fígado, é chamado de carcinoma hepatocelular ou também hepatoma. É diferente dos tumores malignos que se podem “ramificar” no fígado, como é o caso da mama ou do cólon. São as chamadas de metástases hepáticas.

O carcinoma hepatocelular é um dos tumores mais frequentes a nível mundial, sendo um dos cinco cancros que mais mata. A sua importância reside também no facto de que se tem assistido ao seu aumento nos países industrializados, como é o caso de Portugal. Não se sabe bem qual a razão, mas pensa-se que possa estar associado ao crescente impacto da hepatite C e ao melhor tratamento dos doentes com cir-rose, permitindo a sua maior sobrevivência.

Apesar de menos mediatizado e conhecido do grande público, mata mais portugueses do que o cancro do colo do útero ou o melanoma.

Dado o seu impacto e a sua gravidade quando diagnosticado, é fácil de compreender que existam muitos cientistas, hepatologistas, cirurgiões, imagiologistas e oncologistas que se dedicam à sua investigação. Na realidade e de uma forma geral, mais de 90% dos doentes afectados por este cancro não sobrevive mais do que cinco anos.

Estão bem estabelecidos as causas, os sintomas, o modo de rastreio e os tratamentos indicados no carcinoma hepatocelular.

A doença que está quase sempre presente no hepatoma é a cirrose hepática. Cirrose é uma situação em que ocorre a morte de numerosas células do fígado, a par da formação de “cicatrizes” (fibrose) e da alteração da sua estrutura: o fígado fica a ter na sua constituição vários nódulos (formações arredondadas). Esta situação leva à alteração da circulação do sangue através do fígado o que pode conduzir à formação de varizes (veias muito dilatadas no esófago que rebentam com muita frequência) e de ascite (“barriga de água”). Outra das consequências da cirrose é o cancro do fígado: praticamente todos os doentes com carcinoma hepatocelular têm cirrose e o risco de cancro do fígado aproxima-se dos 50% aos 10 anos. As causas que originam a cirrose são bem conhecidas: as principais são a ingestão excessiva de álcool (causa mais frequente em Portugal), hepatite C (causa mais frequente na Europa) e a hepatte B (causa mais frequente a nível mundial).

Páginas: 1 2 3

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.