Natal: Festas sem stress - Médicos de Portugal

A carregar...

Natal: Festas sem stress

7 Dezembro, 2014 0

Natal é sinónimo de festa e comunhão, mas também pode ser um tempo de muito stress. São as prendas, as lojas apinhadas, o trânsito caótico, a decoração da casa, a preparação da consoada, a conciliação de convites e familiares… sobretudo quando se deixa tudo para a última hora. O melhor remédio é, pois, planear, planear, planear…

O Natal é, por definição, um tempo de simbolismo. Na tradição cristã celebra-se o nascimento e, por isso mesmo, se reúne a família. Mas a modernidade veio retirar muito deste simbolismo, com o afã comercial – de quem vende e de quem compra – a sobrepor-se.

Continua a partilhar-se uma refeição familiar, mas a troca de prendas é cada vez mais valorizada. E é em torno deste gesto, que há muito deixou de ser simbólico, que se avoluma muito do stress natalício.

Ao contrário dos aniversários, em que há apenas uma pessoa para presentear, nesta altura há familiares e amigos, às vezes colegas de trabalho, outras vezes até pessoas com quem se mantêm relações sociais ou profissionais que se considera ser necessário contemplar nesta época festiva.

E há que procurar a prenda certa para a pessoa certa. Começa então uma cansativa maratona pelas lojas que, para quem trabalha de segunda a sexta, é quase sempre transferida para o fim-de-semana. E quanto mais se adia a compra, mais o stress aumenta: as lojas estão cheias, nos corredores dos centros comerciais as pessoas atropelam-se, no exterior o trânsito convida a paciência redobrada. São filas para escolher, para pagar, para embrulhar, para entrar e sair do estacionamento.

Não admira que haja quem ande com os nervos à flor da pele. Mas há solução e dá pelo nome de planeamento: o primeiro passo é fazer uma lista das pessoas a quem se oferece e daquilo que se oferece; depois há que começar a escolher e comprar o mais cedo possível, aproveitando os momentos mais calmos do dia – a hora de almoço não é boa ideia pois é aproveitada por muitas pessoas, o melhor é ao abrir das lojas, pelas 9 ou 10 horas. O movimento é escasso, a disponibilidade dos funcionários maior, fazem-se melhores compras e mais rapidamente…

E convém ir verificando a lista, para não deixar nada, mesmo nada, para a última hora – é que o dia 23 à noite e o 24 de manhã são os piores em todos os sentidos (está tudo esgotado, ninguém tem paciência, a começar nos clientes ansiosos e nos empregados desejosos de fechar a loja e ir para casa…).

E há sempre a possibilidade de escapar a esta confusão redescobrindo o lado simbólico das prendas de Natal. Porque não dar um toque pessoal a algumas prendas, ao estilo do “faça você próprio”?

É também uma forma de contornar eventuais dificuldades financeiras, motivadas, nomeadamente, pelo actual tempo de crise. A propósito, ninguém vai levar a mal se, este ano, não houver prendas para trocar com todos.

[Continua na página seguinte]

Planeie, planeie

Páginas: 1 2 3 4

ÁREA RESERVADA

|

Destina-se aos profissionais de saúde

Informações de Saúde

Siga-nos

Copyright 2017 Médicos de Portugal por digital connection. Todos os direitos reservados.